sábado, 1 de agosto de 2009

aquelas cartas.

[imagem: deviantart.com]

Um dia te prometi uma carta. Tenho sentido que ela está a caminho. Palavras fora do papel: voz, coragem e algumas vertigens. Andei correndo de tanta coisa. De você, de mim, dos sentimentos-pontes-caminhos entre tanta coisa. As pessoas são seres delicados - "somos todos açúcar do mesmo saco". Um grito preso na garganta, cabeça girando. Alguns dias no labirinto e achamos o caminho. Tanta, tanta coisa além disso. Procuro além da matéria - busca incessante pelo invisível. Vê? Percebe? Há tantos nós. Outros tantos laços. Guardo numa caixinha os mais bonitos dessa e de outras vidas. Sorte a minha de ter alguns tantos queridos pra compartilhar os caminhos. Pra sorrir e abraçar a vida. Um passo a frente, coragem de olhar no olho e falar em silêncio o que realmente importa. Dançando e acertando o passo. Aos poucos. Não me espere (mas eu chego, acredite!) Eu, que quando não sei fingir, corro. Longe, anos-luz, volto ao começo. Re-escrevo algo para o meu próprio bem, crio um jardim, preparo novas telas. Estão chegando novas tintas e pincéis e a vontade de criar anda aflorando novamente. Desejo mel, girassóis, céu, sol, mar. Eu vejo amor em cada partícula do universo.

4 comentários:

Diogo disse...

Bonito!Bjs

Aline Lima disse...

minha amiga: CORAGEM!!! \0/

Ana Valeska Maia disse...

Texto gostoso de ler, Mônica. Tem som de manhã desabrochando, com colorido de jardim surgindo. Pode ser assim. Será!!!

Rodolfo Nasta disse...

MÓNICA: tu ves amor en cada partícula del Universo. Y lo relatas maravillosamente bien en cada palabra de tus escritos.
Beijo pra voce.
Rodolfo