terça-feira, 6 de janeiro de 2009

infinitos.

[foto: 2milenove]

Talvez maior que o medo da morte e da loucura, seja o medo do não-amar.
Amar de corpo e alma. Compartilhar existências.
Acredito que o amor é uma força que transforma, que move.
Sonhar com o amor dói. Dói querer que ele chegue, dói o medo de não sentir ou de (se)perder no meio do caminho.
Porém, a espera é cheia de pequenas epifanias, alumbramentos, possibilidades de pequenas-grandes emoções.
A espera não cria vazios. A espera é repleta de sonhos, de cores, cheiros e sabores.
Quanto ao que pode vir, deixa desse olhar incerto, não-linear. Olha nos meus olhos e deixa eu despir tua alma, desvendar teus mistérios. Não todos de uma vez, porque o prazer da descoberta é essencial. Vem aos poucos (mas com passo firme).
Esquece a música alta, as falas eufóricas, fala com teu silêncio. E ao chegar crie asas, olhe pra cima, o céu e os infinitos.

"A vida me fez de vez em quando pertencer, como se fosse para me dar a medida do que eu perco não pertencendo. E então eu soube: pertencer é viver. Experimentei-o com a sede de quem está no deserto e bebe sôfrego os últimos goles de água de um cantil. E depois a sede volta e é no deserto mesmo que caminho! "
- Clarice Lispector

8 comentários:

Aline Lima disse...

Pois... falar o quê né? Tu sabes bem que esse desassossego é meu tbm.

Conselho melhor não há:
"Sossega coração. Dorme" [F. Pessoa]

Deve ser a lua que daqui há uns dias "começa a ser real".

=*

glória disse...

o corpo que ama, poroso para as possibilidades afetivas, ama muito antes da chegada do ser amado. tu sabes e enuncias isso! linhas primorosas! bjs

-Thiago Matos disse...

O meu, confesso, é o medo de amar. Esse sentimento que é todo desconhecido e nunca igual. Por vezes me causa angustia, mas sigo em frente na certeza de que aprenderei um dia a caminhar e me deliciar com ele.

Beijo minha Guru.

Aline Lima disse...

"O meu, confesso, é o medo de amar."

Imagine se não tivesse, rss! É um garanhão esse aquariano! ô que o Thiago se passa viu?

Que depravas!
=P

Mônica. disse...

Se com medo a fila vai de 'a' a 'z', se não tivesse então...tenhémedoóh! :P

Joana disse...

Sentimentos sinceros pô. Dos mais sinceros.Bem de dentrinho do meu coração brother!
Acreditem! Falo serio.
Até porque, conquistas não são amores...

^^

Joana disse...

Por THIAGO MATOS.

Ana Valeska disse...

o medo de amar é o medo de ser livre para o que der e vier...

Lembrei dessa música quando li teu texto, Mônica. Conheço muitas pessoas que tem mais medo de amar do que de não-amar. Elas têm esse medo porque vivem em prisões e se acostumaram a viver assim. O amor, quando é amor, nos permite a liberdade, como o amor que você criou, com asas e infinitos.