quinta-feira, 18 de junho de 2009

sim

ando sempre querendo lembrar que, mesmo nos dias calados, do relógio que caminha pé-ante-pé-corre-voa, eu ando por aqui, observando, tirando uma licença poética de mim. ando sempre querendo lembrar que...

"... uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente. Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita foi a criadora de minha própria vida. Foi apesar de que parei na rua e fiquei olhando para você enquanto você esperava um táxi. E desde logo desejando você, esse teu corpo que nem sequer é bonito, mas é o corpo que eu quero. Mas quero inteira, com a alma também. Por isso, não faz mal que você não venha, esperarei quanto tempo for preciso."

Clarice Lispector.
[mas eu ainda não tenho o grau de paciência da senhora Lispector. apesar de]

2 comentários:

Aline Lima disse...

ô cara, Clarice é demais para mim hj! ^^ demais... afee!

Tatiana F. disse...

Eu tive que aprender a esperar, e ao longo dos anos "apesar de", acabei aprendendo.
E quando finalmente consegui o que queria... Desejei de alma.
Abracei de corpo.

Estou começando a conhecer a Clarice, e estou gostando. Beijos