quarta-feira, 17 de junho de 2009

entre ondas e asas.

[imagem: Kurt Halsey]

porque pensava demais, cansou.
porque corria demais, parou.
porque queria demais, sonhou.
porque vive e quer continuar intensa
depois da leve pausa, do vazio, do silêncio.
dos grandes dramas humanos, sem platéia.
dos dias de ostra, abusada dos humanos, no fundo do mar.
das águas e das asas que levam e lavam.
pra longe
estradas.

"...e não há melhor resposta que o espetáculo da vida: vê-la desfiar seu fio, que também se chama vida, ver a fábrica que ela mesma, teimosamente, se fabrica, vê-la brotar como há pouco em nova vida explodida; mesmo quando é assim pequena a explosão, como a ocorrida; mesmo quando é uma explosão como a de há pouco, franzina; mesmo quando é a explosão de uma vida severina."
João Cabral de Melo Neto
.
.
Adriana Calcanhoto - Senhas

4 comentários:

Aline Lima disse...

belíssimo minha cara! belíssimo... =)

glória disse...

Mônica, uma reverência de saudação de beleza ao teu poema, vc. está cada vez mais lírica e intensa. bjs

Ana Valeska disse...

Lindo Monicatt!

R.Vinicius disse...

Mônica se coube palavra no verso, é porque há espaço para tuas palavras; e que sejam ditas, pois quão belo são, e merecem brilhar.

Abraço,

R.Vinicius