quinta-feira, 16 de abril de 2009

quando silêncio é música.



"Anotar na agenda mental:

Pegar as pedras fortemente, apertá-las contra o peito, comprimir a cabeça e o corpo inteiro contra as árvores, pisar descalço na terra, colocar balas e doces (sempre em número ímpar) ao pé das árvores grandes para os duendes e devas e erês comerem e ficarem teus amigos, deixar na cabeceira toda noite copos de água com acúcar para as fadas virem beber de madrugada. Acender velas para chamar LUZ, jogar rosas amarelas nas águas dos rios para Oxum. Coisas assim: ritualizar, para dialogar com O Mistério. Para que ele te/nos proteja. Coisas claras, panos brancos, incensos e flores. Purificar, purificar o que na essência da nossa condição humana é pura e medonha treva de desconhecimento de todos os porquês."


Caio Fernando Abreu

[porque os sentimentos vezenquando sufocam as palavras]

2 comentários:

glória disse...

Mônica bela, vc. sempre nos brindando com escritos compatilhados cheios de vísceras e pétalas, bjs.

Maria Inácia Bellico disse...

Que lindo texto. Aqui em casa é tipo isso. Coisa de vovó sabe? Mas eu adorei o texto. Lindo jogo de palavras.

Bjim*