quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

.porque tudo pode ser amor.

[Frida Kahlo]

"
Pés, para que servem? se tenho asas para voar!"

Frida Kahlo


Levezas.
Cidades.
Cinza.
Cor.
Inquietos: É assim que os pensamentos andavam. Ela não podia ser diferente: gostava da liberdade de ser exatamente como é (e não sabe ser de outro modo). Geralmente, quando o relógio dá meia noite, ela resolve deixar o barquinho rolar, pede pro coração e pro juízo o que mais precisa aprender nessa encarnação: a ciência de ter paciência. Calma - ela dizia- a vida nem é tão breve e pra tudo tem tempo. É tempo de plantar e a colheita é mais na frente... (Quando pensa assim, tem saudade do cheiro de mato e do banho-de-açude-de-férias-de-infância!) Tanta coisa chega dá um aperto forte assim, no peito. Chega um momento que sente com todas as suas forças que precisa aprender a trilhar outros caminhos. Hora de tatear no escuro, caminhar e , com fé (e sorte), seguir. Fazemos isso, sempre.
Uma pausa.
Aquela pausa.
Pro mundo. Do mundo.
Fala consigo e agora é pra valer: Vamos recomeçar?


(e quando tem um bem-querer assim, bem perto, fica tudo mais bonito.)

- O que tem de ser tem muita força.

5 comentários:

Rebeca Amaral disse...

Que texto lindo, Mônica! Acho que preciso dessa pausa também. Pra poder recomeçar do zero. Ou pelo menos, tentar.

Beijinhos.

-Thiago Matos disse...

Já disse e aproveito para repetir: Belo texto.
Por aqui pensando assim: gosto de ser livre, gosto da liberdade.

Késia Maximiano disse...

Não importa o porquê, mas smepre chega aquele momento em que a gente precisa parar, respirar, pra poder continuar! Ou recomeçar!

Lindo post
Beijão!

Tatiane Lemos disse...

Nossa, mais que lindeza!

Beijos, passo com mais calma!

Raquelzita disse...

Mônica

um lindo textooo